GAME OVER

Então, você quer sumir? Tudo bem. Perfeito. Mas some, tá? Sabe o que mais me encanta nas pessoas? A sinceridade em tuas promessas. Eu adoro quando as pessoas falam que vão me esquecer e realmente me esquecem. Não me procuram mais. Não me mandam
e-mail, nem cartas, nem SMS, nem mensagens telepáticas. Nem me fazem surpresas ou coisas assim. E eu espero que você assine embaixo da tua escolha. Não esteja numa sexta-feira fria, assistindo TV e me ligue com aquele papo de estou-arrependido-e-bla-bla-bla. Nem aumente o teu teor de álcool em alguma
festa com mulheres piores do que eu e resolva aparecer na minha porta gritando que me quer de volta. Seja homem, rapaz. Cumpra com a tua palavra. Vai lá.
Segue que teu caminho e me deixe aqui com teus gritos de você-é-a-pior-pessoa-do-mundo.
Eu sei me virar. Quer ver? Você não foi o primeiro e – espero que não seja o último – a bater essa porta, cara. Desculpe te dizer, mas você não é surpreendente. Nem muito menos, único. Você foi só mais um garoto com cabelo bagunçado e aspirante a poeta pelo qual me encantei. E só, entende? Você volta a dizer quer ir. Diz que se cansou da minha TPM e da minha frieza ao responder tuas declarações em redes sociais. Fala mais meia dúzia de palavrões. Grita que vai embora, mas senta no sofá ao ver minha indiferença. Vai, cara! Lá fora, há várias menininhas-perfeitinhas-com-peitinhos-durinhos-e-que-fingem-saber-gozar.
Eu aposto que se você recitar algum desses teus textos românticos, elas cairão na tua lábia – quantas você quiser. Você quer liberdade? A porta está aberta.
Na verdade, sempre esteve. Portas, janelas, telhados. Por onde quer que você prefira ir embora, vá! Então, você junta as tuas coisas que já estavam juntas. Dá umas voltas pelo quarto fingindo procurar mais alguma cueca ou chinelos ou relógios ou força de vontade para realmente ir embora. Engole qualquer
tentativa de choro, num falso gesto de ego masculino e abre a porta lentamente. Mesmo de costas, eu consigo ver teus olhos fechados e teus ouvidos bem atentos,
esperando qualquer ruído meu que soasse como um pedido para você ficar. Mas eu me calei há tempo para tuas fugas  infantis. Beijos. E não me liga.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s