BONS AMIGOS

130132289

Três batidas na porta, o toque já conhecido da campainha e ele entrando correndo casa adentro. Parece um furacão. Derruba um copo, escorrega na água que molhou o chão e cai, com sorte, sobre o pufe que está encostado na parede. Levanta-se, pragueja algumas coisas que não entendo e, quando peço pra se sentar, me manda à merda. Diz que está nervoso mesmo e que não quer se acalmar. Brigou com o nova namorada. Entendo. Espero uns dez minutos até que realmente possamos conversar. Depois de xingar a menina de tudo quanto é nome, me conta que descobriu algumas mentiras. Eu já menti pra você, digo. Ele ri, diz que é diferente. Eu sou sua melhor amiga, posso até mentir às vezes se não fizer mal. Mas que iria cobrar explicações. Agora, ela era a menina  dele, gostava dela. Num segundo consegue numerar diversas qualidades. Sinto ciúmes. Eu também o faço rir, faço bem. A menina não era nada  demais. Era mais um dos problemas que ele trazia pra que eu o ajudasse resolver. Me sinto mal quando ele faz isso e me coloca no devido lugar. É como se nada pudesse crescer dentro de mim. Somos amigos. Ponto. Confesso que é difícil imaginar alguma coisa entre a gente. Os amigos dizem que combinamos. Que sou tipo um anjo na vida dele. Ele, inclusive já disse isso. Sentado, mexe no celular a procura de alguma mensagem. Conversamos coisas mais amenas agora.
Num segundo em que vou no quarto pegar algo para mostrá-lo, ouço uns soluços. Começou a chorar. Pego um copo com água e açúcar, envolvo-o em meus braços e digo que tudo vai ficar bem. Não sei em que momento acontece, mas a gente se beija. Simples, bonito e um desejado beijo entre dois amigos. Preciso ir, diz. Na mesma velocidade em que entrou, se vai. Sem compreender direito o que houve, me pego olhando pro espelho e, agora, quem xinga sou eu. Não aceito o que fiz. Como pude ter avançado, ido tão longe? Eu não precisava estragar tudo. Tento refazer os poucos segundos que passamos com as bocas juntas e relembro uma mão em minha nuca, um morder nos meus lábios. Ele queria o beijo, penso comigo tentando me convencer. A consciência sente dor. Não marco o tempo. Sei que o telefone toca. Abre a porta, diz a voz dele do outro lado da linha. Por que você não toca a campainha e vem fazer um estrago na minha vida de novo?, pergunto. Porque você acabou de estragar a minha, ele responde. Pelo olho mágico eu o vejo. A fechadura anseia ser virada. Ele está em pé, me olha de cima à baixo. Como eu demorei tanto a perceber?, cada um se pergunta. E eu descubro que além de poder ser sua grande amiga, eu posso ser seu grande amor.

Anúncios

Um pensamento sobre “BONS AMIGOS

  1. Nice post. I learn something more challenging on different blogs everyday. It will always be stimulating to read content from other writers and practice a little something from their store. Id prefer to use some with the content on my blog whether you dont mind. Natually Ill give you a link on your web blog. Thanks for sharing.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s